segunda-feira, 10 de outubro de 2016

A PEC 241 sabota o Brasil e favorece a especulação financeira

A Constituição de 1988, cuja promulgação completou 28 anos nesta quarta-feira (5) é a segunda mais longeva do período republicano e sofre hoje o mais intenso ataque promovido pela direita e pelos neoliberais. São forças conservadoras que sempre rejeitaram os avanços econômicos, políticos e sociais nela consagrados. Tentam desfigurá-la, a título de uma “modernidade” perversa, em favor de poderosos interesses econômicos e contrários ao desenvolvimento e à soberania nacional.

O governo ilegítimo de Michel Temer encaminhou para o Congresso Nacional a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 241/16, que altera o regime fiscal do país para favorecer o rentismo e a especulação financeira. Elimina a obrigatoriedade constitucional com o emprego de recursos públicos nas áreas sociais como saúde e educação, mas não toca nos gastos orçamentários com o pagamento de juros.

Os prejuízos para o povo são imensos. A Constituição estabelece que 18% da arrecadação federal com impostos devem ser gastos com educação, mais 25% da mesma arrecadação de estados e municípios. Em outra área vital para o povo, a saúde, a obrigatoriedade constitucional do emprego do dinheiro público corresponde a um porcentual crescente da receita corrente líquida da União, indo dos atuais 13,2% a 15% em 2020. Em relação à educação, o Plano Nacional de Educação determina que os investimentos obrigatórios, que hoje são de 7% do PIB, devem atingir 10% em 2024.

Outro ataque imenso será contra a assistência social. Se a PEC 241 for aprovada, o prejuízo poderá ultrapassar ou alcançar R$ 860 bilhões! A importância é ressaltada quando se leva em conta que envolve programas como o Benefício de Prestação Continuada, Bolsa Família e Sistema Único de Assistência Social (Suas).

Ao contrário do que pensa o senso comum, a dívida pública não resulta de empréstimos do setor privado para atender a necessidades do governo. Na verdade, serve aos interesses do sistema financeiro em emprestar ao governo para abocanhar os extorsivos juros pagos sobre a dívida pública, que historicamente alcançam entre 47% a 50% do orçamento da União.

É um sistema perverso que torna o Estado refém da especulação financeira e do rentismo.

A PEC 241 é uma tentativa de inscrever na Constituição os privilégios deste sistema de domínio sobre o Estado e o governo pela especulação financeira, e perpetuá-lo através da fixação de um teto para os gastos públicos que, na verdade, vai impedir o desenvolvimento do país e o bem-estar dos brasileiros pela criação de empregos e valorização da renda. E favorece apenas a alta finança que domina o país.

A Constituição precisa ser defendida – esta é a tarefa que cabe aos progressistas e democratas. A votação desta PEC malfazeja terá início na próxima semana, e os parlamentares comprometidos com os interesses do Brasil, do povo e dos trabalhadores precisam proclamar um veemente não à especulação financeira e seus privilégios! E rejeitar esta medida que desfigura a Constituição Cidadã de 1988. fonte; 
http://vermelho.org.br

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Terreno de gringo é invadido em Uruburetama por moradores da cidade.

    Dezenas de moradores de Uruburetama resolverão invadir um terreno que fica situado ao lado da CE 243, um dos terrenos mais valiosos de Uru...